Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A forma como eu vejo o mundo

A forma como eu vejo o mundo

Nunca ninguém exigiu tanto de mim…

tumblr_ly0w6vgff51qdfytto1_500.jpg

 Mais um rascunho meu dos meus deep dark thoughts(pensamentos obscuros) lê quem quer ;) com playlist ativada. >>>AQUI<<<

É difícil dar-mos algo nosso, da nossa essência, da nossa alma a outra pessoa, mais ainda quando nós mesmos nunca nos preocupamos em nos preencher e encontrar todos os cacos de relações furadas, de desilusões e traições.

Quando passamos uma vida sem exigirmos limites a nós mesmos, e simplesmente nos conformamos com as divergências da vida, quando nos esquecemos como se vencem os desafios e deixámos de nos importar com os sonhos. Quando só pensamos no nosso lado mais negro e não nos importamos com os outros, quando damos conselhos aos outros sem conseguirmos dar as nós mesmos.

E então talvez apareca alguém na tua vida, uns vão chama-lo de anjo da guarda, aquele que te salvou de um pesadelo, que para ti era um perfeito comodismo.

E a felicidade é capaz de vir, durante dias, meses, muitos meses…

Mas é difícil acompanhar alguém tão igual e tão diferente de nós. Pois essa pessoa aproveitou cada minuto livre para procurar cada caco, cozeu todos os remendos e ultrapassou a mágoa, dedicou-se  a vencer os desafios e a viver de sonhos que construiu com o tempo. É difícil olhar para esse quase desconhecido e ver que é tão igual a nós, que sofreu, sentiu, ultrapassou e confiou em nós e se torna vulnerável o suficiente para o conhecermos…

É difícil entender a sua forma de agir, de pensar, de ver as coisas. Torna-se tão complicado como um montanha russa de emoções. As vezes sentimos-nos capazes de acompanhar as pessoas, e o desafios acabam por não se mostrarem tão assustadores como os vemos.

Mas sempre há um momento em que eles esperam tanto de nós, mas tanto mais…

Quando nos exigem mais do que somos capazes, quando nos levam aos limites de uma corda tão frágil, quando uma simples agulha pode destruir a bolha da confiança.

Talvez me tenha considerado forte, quando caminhavas do meu lado, quando sentia que podia vencer o mundo quando eras tu que aniquilavas os perigos do meu caminho, e quando me pediste para caminhar a frente eu falhei. E neste tempo todo eu tinha feito o mesmo que tu, começava a remendar buracos, a tentar curar feridas e a dar-me a conhecer, a mostrar a minha vulnerabilidade, e foi quando falhei que despertaste em mim de novo o medo.

O medo de te perder, o medo de estar sempre nunca corda bamba sem proteção, quando cada palavra me provocava medo, e cada segundo se tornava agoniante.

Tornaste-te de tal maneira o meu anjo da guarda que eu já não sei o que é caminhar sem ti, e de certa maneira tenho medo de voltar ao meu antigo eu, só queria enterrar o medo de uma vez e tentar dar-te tudo o que exiges de mim, é que sabes, nunca ninguém exigiu tanto de mim..

Sobre mim

Blogger, 19 anos. Gestao Hoteleira-ESGIN Amo ler, conversar, musica e sou louca pelo monstro das bolachas! (LER MAIS+)

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Polyvore